Em destaque

ROSÁRIO DE LICURI e outras coisas de um Mercado Público Mineiro.

Estamos em Montezuma, norte de Minas Gerais, divisa com a Bahia, precisamente no Mercado Público.

MERCADO PÚBLICO MUNICIPAL DE MONTEZUMA – MG.
MERCADO PÚBLICO MUNICIPAL

O ROSÁRIO DE LICURI

O “rosário de Licuri” lembra mesmo um rosário cristão, de orações. Apenas uma diferença os separa: enquanto no rosário cristão as contas significam orações, o rosário de Licuri é comestível. O colar fica no pescoço e, de lá mesmo, as pessoas comem a amêndoa. 

O licuri, nicuri, dicuri, adicuri, ouricuri, alicuri, licurizeiro, urucuri, dentre outros nomes atribuídos à palmeira nativa da Caatinga.

O fruto do licurizeiro, um coquinho pequeco é muito importante para a economia em algumas regiões da Bahia, mas  ao mesmo tempo tão desconhecido nacionalmente, pode até ser pequeno no tamanho, mas com certeza é grande em seu potencial.

Do licurizeiro, se consegue fazer diversos produtos, como a própria amêndoa torrada, que ganhou três versões: a natural, a salgada e a adocicada com rapadura, além do óleo e do azeite extravirgem ou prensado a frio de licuri, da cerveja e do licor. Outros produtos como cocada, arroz, farofa, paçoca e até mesmo hidratante e óleo corporal, por exemplo, também podem ser produzidos com a amêndoa.

ROSÁRIO DE LICURI – E CASTANHAS DE LICURI

DAQUI ATÉ LÁ? UM QUEIJO E RAPADURA

No norte mineiro, muito se faz com o pouco que se tem.

Aqui em Minas pode-se comer queijo com rapadura ou rapadura com queijo; tanto faz.

Tem dito popular para tudo, desta feita para relacionar tempo e algumas vezes distância se diz:

 “Daqui até lá, tem um queijo e uma rapadura”; ou, “pra chegar, falta um queijo e uma rapadura”.

Visto que tudo dependa do tamanho do queijo e da doçura da rapadura, a ordem pode até importar!!!

RAPADURA E QUEIJO FRESCO

GALINHA CAIPIRA

Galinha caipira, ou caneludo é, na culinária brasileira, o termo usado para se referir ao galináceo doméstico criado solto em quintais e fazendas, em contraste com o de criação industrial ou de granja. Tal iguaria aparece como receita TRADICIONAL da culinária MINEIRO.

Reza a lenda, que os tropeiros norte mineiros comiam apenas carne de sol e farinha durante suas viagens e, ao retornar para casa, ansiavam por algo diferente. Assim, as famílias preparavam o frango caipira acompanhado de pirão, arroz branco e feijão tropeiro. Alguns contadores de história afirmam que a galinha caipira com quiabo e angu , de herança indígena, era usada para alimentar escravos, nos séculos XVII e XVIII.

Aqui no Norte Mineiro o FRANGO CAIPIRA esta para o MINEIRO como o CHURRASCO esta para o GAÚCHO.

GALINHA CAIPIRA – a venda no mercado público de Montezuma

Em destaque

ESQUEÇA TUDO O QUE VOCÊ SABIA SOBRE O MAIOR PÉ DE PEQUI DO MUNDO…

A Lenda

Uma das histórias que circulam na internet é de quem Montezuma, se encontra o MAIOR PÉ DE PEQUI DO MUNDO…mesmo sendo poucas as pessoas que realmente já visitaram o local onde está arvore está plantada.

Tínhamos marcado uma reunião na Secretaria de Turismo de Montezuma, com objetivo de traçar e assuntar sobre atrativos turísticos do Município, afinal vamos escrever um Guia Turístico Digital da cidade, parte da Coleção de Guias de Turístico Digital do Circuito Turístico Lago de Irapé.

Antes da reunião fizemos uma rápida pesquisa na internet sobre o Pé de Pequi Gigante, e todos os caminhos eletrônicos nos indicavam o mesmo local, o “Pequizeirão” como é conhecido, estaria localizado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Nascentes Geraizeiras na localidade de “Roça do Mato”.

Pequizeirão visto de perto.

Na reunião conhecemos o Juliano, que juntamente com a Viviane, cuidam da pasta de Turismo de Montezuma, e o “Vavá”, Secretário de Agricultura, abordamos vários assuntos, dentre eles o “Pequizeirão”.

“Vavá” levantou a hipótese de que o “Pequizeirão” que todo mundo fala não é o maior Pé de Pequi da região.

Dúvida posta! Tínhamos medir o “Pequizeirão” atual e encontrar o outro medir e comparar, para ver qual é o maior pé de Pequi do Mundo afinal.

O Pequizeiro – o pé do Pequi

O Pequizeiro, arvore típica do cerrado, pode chegar a mais de 12 metros de altura.

Está é a flor do Pequi.

Flor do Pequizeiro

A época de produção dos frutos é de novembro a janeiro.

O Pequi em média possui o tamanho aproximado de uma laranja média e uma casca verde escuro.

No seu interior, existe um caroço revestido por uma polpa comestível macia e amarela.

O caroço propriamente dito fica sob a polpa e está revestido de espinhos muitos finos.

Para comer a polpa é preciso cozinhar o Pequi, e depois “roer”calmamente, e por causa destes espinhos, precisa ter uma certa “técnica”, que eu (Cris), particularmente não domino.

Adoro o sabor do Pequi no arroz e o aroma que ele exala.

Por baixo dos espinhos há uma amêndoa, nunca cheguei até ela, segundo dizem é macia e muito saborosa.

A época de produção dos frutos é de novembro a janeiro.

O Pequizeirão

Nos encontramos na praça central logo no início da tarde. Pegamos uma trena de 50 metros e partimos.

O Pequizeirão fica a 32 km de nosso ponto de partida, em direção ao município de Vargem Grande do Rio Parto.

Não há placas que indicam o local da arvore gigante.

Paramos na rodovia, que não tem acostamento, 32 Km de Montezuma, o Pequizeirão fica a 300 m, à direita da rodovia sentido Vargem Grande do Rio Pardo.

Pequizeirão – Reserva de Desenvolvimento Sustentável Nascentes Geraizeiras – “Roça do Mato”.

Com a trena em mãos, começamos a tirar algumas medidas:

  • Caule a 1,5 m acima do solo: 3,5 metros
  • Copa: 24,5 metros na parte maior, não circular.
  • Altura estimada: 16 metros

O Maior Pé de Pequi do Mundo!!!

A cerca de 8,2 Km de Montezuma, fica a antiga fazenda Estiva, falaremos mais sobre ela em outro post….

Próximo à antiga sede, esta o nosso objetivo.A arvore gigante, quando vista da rodovia não chama tanto a atenção de quem passa, pois está em um nível inferior em relação a pista de rolamento.

Mas quando chegamos próximo, no nível dela, percebemos que este Pequizeiro era diferente de todos os outros que já tínhamos visto pelo norte de Minas Gerais.

Quanto mais próximo chegamos ,mais impressionante ela se torna.

Medidas do Maior Pé de Pequi do Mundo:

  • Caule a 1,5 m acima do solo: 4,5 metros
  • Copa: 32,5 metros na parte maior, não circular.
  • Altura estimada : 20 metros

Este maior pé de Pequi do Mundo, até o momento registrado, ainda não está no Livro dos Records, mas agora, depois de nossas medições e aferições, pode ser fotografado e apreciado, e com estas medidas, poderá ser comparado a outras arvores que queiram ter este título!!!..Vai lá tirar uma foto, sob a sombra do maior Pé de Pequi no Mundo, posta e marca a gente!!! Orgulhe-se de sua cidade e região, compartilhe o lhe és mais bonito!

Vista Aérea do Maior Pé de Pequi do Mundo ao Lado da Rodovia.
Vista Frontal do Maior Pé de Pequi do Mundo – Fazenda Estiva
Maior Pequizeiro do Mundo – Fazenda Estiva -Montezuma – Minas Gerais
Em destaque

Vida Nômade – uma vida em constante transformação

“Seja como água, meu amigo. Seja com água…” esta frase , atribuída a Bruce Lee, sempre ecoa na minha cabeça, principalmente em momentos que exigem um esforço maior para transpô-los.

Desde maio de ⭐️2018⭐️ , largamos uma vida comum e estressante na cidade de São Paulo, para buscar o equilíbrio, vivendo e trabalhando pelo Brasil de forma nômade.

San, Mel e Cris em Montezuma – Minas Gerais.

Nestes 624 dias, percorremos diversos caminhos, vivenciamos diversas experiências e transformações.

Para muitos, tempo mais que suficiente para dar uma volta ao mundo, para nós, fora tempo de descobertas, fora tempo de aprendizado, fora tempo de transformação, fora tempo de adaptação.

Palestra sobre Vida Nômade – Turmalina Minas Gerais, foto Ity João

A vida na estrada é assim, na sua raiz é transformadora, e para vivê-la de forma extraordinária, precisamos nos adaptar sempre, como a água, que ao mesmo tempo que assume a forma de qualquer recipiente, é capaz de mudar o relevo dos vales, das montanhas por onde passa, romper barreiras, levar vida e cores onde toca, ter resiliência.

Assim é o Viagem Kombinada, que como a água, se adapta as culturas e comunidades que visita, que de alguma forma gera ou desperta transformação por onde passa, que busca mostrar através de pequenos gestos e atitudes que a realidade muitas vezes pode ser diferente, que tudo tem o seu valor, e que devemos sim, nos orgulhar de nossas origens e valorizar o local onde estamos inseridos, que a resiliência nos permite ir mais longe.

Cris, Mel e San – Barra do Guaicuí

Atualmente estamos percorrendo as Cidades do Norte de Minas Gerais que formam o Circuito Turístico Lago de Irapé.

Se você se identifica com este estilo de agir, pensar e viver, indique nossa página a seus amigos, deixe um comentário, é muito bom saber sua opinião!

Produtos que vendemos na estrada

E aproveita e conheça nossa lojinha, produtos exclusivos Viagem Kombinada, clicando aqui!

Em destaque

CORAÇÃO DE JESUS (Parte 3) CENÁRIOS DE FILMES

A região de Coração de Jesus tem muitos lugares que lembram CENÁRIOS DE FILMES, além do Sítio Paleontológico do Piripiri, que já citamos que lembra o cenário do Jurassic Park!

E de fato, alguns lugares do sertão mineiro de Coração de Jesus chegou a ser uma LOCAÇÃO da minissérie inspirada na grande obra de GUIMARÃES ROSA, o GRANDE SERTÃO VEREDAS, produzida pela Rede Globo em 1985.

Sede da Fazenda de João Deraldo

As fotos abaixo são da capela da fazenda de João Deraldo. Nesta região foi gravada uma cena de batalha, e bem próximo dali, no Rio Pacuí, foi gravada a cena onde Riobaldo (Toni Ramos), vê a Diadorim (Bruna Lombardi) tomando banho de rio.

Capela da Fazenda de João Deraldo
Interior da Capela
Mel, imaginando as cenas das batalhas – Pronta para atuar

Também descobrimos que muitos MORADORES da época participaram como FIGURANTES desta minissérie, e chegamos a ENCONTRAR UM DELES assistindo a NOSSA PALESTRA na cidade! Muito legal!

EM COMPENSAÇÃO, ficamos bem DECEPCIONADOS com o ESTADO DE ABANDONO da fazenda. A casa da fazenda está em RUÍNAS!

Ali seria um belo ponto turístico, que poderia conter um ACERVO dos BASTIDORES da minissérie que fora grande parte gravada em Coração de Jesus, ter as HISTÓRIAS que A CIDADE VIVEU NA ÉPOCA, as HISTÓRIAS e FOTOS dos FIGURANTES nativos que participaram desta belíssima obra! Que tal?

Fora isso, nesta região ainda pode-se refrescar no RIO PACUÍ, e ainda conhecer uma ANTIGA PONTE DE MADEIRA!

Mel, apreciando a beleza da água cristalina do Rio Pacuí

Em Coração de Jesus há duas pequenas comunidades que se destacam pelos CASARIOS ANTIGOS, do PERÍODO COLONIAL. Também são outras LOCAÇÕES INTERESSANTES, que dariam um BELO CENÁRIO, principalmente. para os ensaios fotográficos, e novelas de época!

A comunidade de SÃO GERALDO também é uma comunidade QUILOMBOLA, onde estão tentando preservar a sua cultura e tradições. A outra é a comunidade de SÃO JOAQUIM.

Vejam as fotos destes lugares que nos REMETEM AO PASSADO, e ainda preservam muito da TRANQUILIDADE DO INTERIOR MINEIRO.

No norte de Minas conhecemos uma árvore chamada GAMELEIRA. Ela LANÇA as suas RAÍZES por LONGAS DISTÂNCIAS, PASSA POR FRESTAS, CONTORNA e ABRAÇA cada OBSTÁCULO no meio do caminho.

AS SUAS RAÍZES CRESCEM BASTANTE, tanto em COMPRIMENTO, quanto na ESPESSURA. Já vimos raízes que parecem COLUNAS, outras que parecem que DERRETERAM em cima das ROCHAS, e outras que formam PORTAIS!

Para quem assistiu o filme TOMB RAIDER com a Angelina Jolie, vai achar semelhança em uma das cenas onde ela chega em um lugar em ruínas, e tem uma Gameleira gigantesca em cima.

Estas fotos são da região do SUMITUMBA, em CORAÇÃO DE JESUS. Reparem nas DIMENSÕES da ESCALA HUMANA com o local, e com estas raízes! É a NATUREZA mostrando a sua FORÇA!

Cris (1,7m) e a Gameleira Gigante – Escala Humana

Esse lugar é INCRÍVEL, concordam? E para nós INESQUECÍVEL!

Aliás, CORAÇÃO DE JESUS será INESQUECÍVEL para nós! Foi uma grande SURPRESA conhecer esta região, tão ESPECIAL, com tantas ATRAÇÕES ÚNICAS!

Não conseguiremos mostrar aqui tudo o que vimos em Coração de Jesus agora. Mas o que apresentamos aqui já mostra que tem muitas BELEZAS e muita HISTÓRIA neste lugar!

Apesar do seu nome ser LAGOA FEIA, de feia ela não tem nada não! Esse nome se refere a uma lenda da região.

Dizem que ali existia um poço. Um certo dia os moradores escutaram um forte estrondo e um deles foi verificar o ocorrido. Voltou surpreso pois no lugar do poço tinha surgido um “Lagoa Feia!”

Em Minas a palavra “FEIO(A)” é usada para indicar algo “GRANDE”: “o estrago foi feio (=o estrago foi grande).

Além disso, esta lagoa tem muitas HISTÓRIAS e MISTÉRIOS!

Pra começar, é uma lagoa é uma das poucas no mundo que ESTÁ NO TOPO DO MORRO. A maioria dos lagos geralmente se formam nos vales.

A sua PROFUNDIDADE é tão GRANDE, que ninguém conseguiu encostar os pés no fundo ainda! Estima-se pelo menos, 40 METROS de PROFUNDIDADE.

ACREDITA-SE que a lagoa seja um RESPIRO de algum LENÇOL FREÁTICO, mas ainda não há dados sobre isso.

A área do espelho d’água equivale a 4 hectares e andar ao seu redor nos remete à beira de uma PRAIA PARADISÍACA, com AREIA BRANQUINHA, e COQUEIROS na borda.

A lagoa fica em uma propriedade particular há 22km da cidade de Coração de Jesus, e há 12km da cidade de São João da Lagoa.

Este texto é terceira parte de uma série de 3 postagens sobre a cidade de Coração de Jesus:

Ajude-nos a divulgar as belezas do Norte de Minas Gerais e Vale do Jequitinhonha, curta e compartilhe com seus amigos e conhecidos.

Em destaque

CORAÇÃO DE JESUS (Parte 2) A TERRA DAS CAVERNAS

A TERRA DAS GRUTAS E CAVERNAS
Em Coração de Jesus, o que NÃO FALTA é CAVERNA! Há mais de 40 cavernas mapeadas, mas pouca gente conhece.

Muitas delas estão há alguns quilômetros da cidade, mas a Gruta da MADAME CASSOU (lê-se Caçú), fica em uma propriedade bem pertinho da cidade.

Gruta Madame Cassou – Cris, San e Mel entrada principal

Lá destacamos as FORMAÇÕES ROCHOSAS que lembram um RENDADO, em TOM ROSADO, onde PEQUENOS BRILHOS que parecem PURPURINA!

ATENÇÃO! Um rapaz nos CONFESSOU que ele achou interessante esse BRILHO destas formações, ARRANCOU um pedaço, mas descobriu que FORA DA GRUTA, A PEDRA NÃO BRILHA!

Então fiquem todos avisados: FORA DALI, A PEDRA NÃO BRILHA!

E por favor!!! NÃO ARRANQUEM e NÃO DANIFIQUEM estas PRECIOSIDADES que a NATUREZA LEVOU SÉCULOS para CONSTRUIR!

A CAVERNA LABIRÍNTICA tem 23km de EXTENSÃO, entre corredores e salões que formam um IMENSO LABIRINTO!

Não percorremos toda a sua extensão, mesmo porque são necessários 3 DIAS para isso. Mas OS TRECHOS que percorremos SÃO BEM BONITOS, como poderão ver nestas fotos!

Outra caverna que nos impressionou, foi a CAVERNAS DAS COLUNAS. Há trechos sinuosos, com aberturas que parecem janelas, e há trechos onde as raízes das Gameleiras desceram pelas frestas e estão crescendo lá dentro.

Nesta caverna foram encontrados OSSOS HUMANOS FOSSILIZADOS, mas ainda sem datação. Também foram encontradas MACHADINHAS e até uma URNA FUNERÁRIA feita em cerâmica. Estas peças encontram-se atualmente no MUSEU da cidade (Fundação Cultural José Alves de Macedo).

Mas de todas as cavernas que visitamos em Coração de Jesus, a que mais nos impressionou foi a CAVERNA DO ESPIGÃO!

Lá há vários SALÕES IMENSOS lá dentro, e ficamos que nem crianças em loja de brinquedos! Foi DIFÍCIL ESCOLHER POR ONDE COMEÇAR A FOTOGRAFAR! Para cada lado ou cada salão que entrávamos, era uma surpresa!

Lá também há formações que parecem esculpidas à mão, de tantos detalhes e capricho!

ATENÇÃO! TODA A ILUMINAÇÃO PARA FOTOGRAFAR DENTRO DA CAVERNA FOI FEITA POR NÓS do Viagem Kombinada. Para visitar as cavernas, não esqueçam de contratar um Guia experiente, levar lanternas para a apreciação destes locais, Capacetes para proteção entre outros itens para sua segurança. Kombinado???

Este texto é a segunda parte de uma série de 3 postagens sobre a cidade de Coração de Jesus:

Nos acompanhe nesta viagem!

Em destaque

Coração de Jesus (Parte 1): A TERRA DOS DINOSSAUROS

Coração de Jesus é uma cidade que nos SURPREENDEU!

PRIMEIRO porque tem MUITAS HISTÓRIAS e ATRATIVOS TURÍSTICOS, e SEGUNDO porque boa parte dos MORADORES DESCONHECEM esse primeiro item.

Na Praça da Matriz, a escultura do Coração de Jesus

Chegamos em Coração de Jesus, e falamos que estávamos ali para visitar os atrativos turísticos da cidade, e muitos nos disseram que ali não tinha nada não!

Depois de 2 semanas percorrendo a cidade e as suas comunidades, fizemos PALESTRAS em praça pública e nas escolas, para mostrar para a população, uma parte de Coração de Jesus que poucos conhecem!

Muitos assistiram de boca aberta, sem acreditar que aquelas imagens eram da cidade e arredores em que moravam! Alguns disseram que viajam para outras cidades, sem saber que o “quintal” deles é tão interessante quanto os outros lugares!

Muitos vieram nos agradecer, pois segundo eles, se a gente não mostrasse, eles nem saberiam que moravam em um lugar tão precioso!

E a partir de agora, vamos apresentar a você, um pouco o que esta região tem de mais belo e valioso! Dividimos os textos em 3 postagens:

Nos acompanhe nesta viagem!

A TERRA DOS DINOSSAUROS

A partir de 2005 foram encontrados em Coração de Jesus, FÓSSEIS de DINOSSAUROS. Entre eles está o fóssil MAIS ANTIGO da AMÉRICA DO SUL (120 milhões de anos), e o MAIS COMPLETO do mundo, com 96% da ossada encontrada!

Réplica em tamanho real da cabeça do dinossauro encontrado na região, que está no museu da cidade (Fundação Cultural José Alves de Macedo).

Este fóssil foi descoberto pelo Sr. Ubirajara Macedo, que há muitas décadas explora todo o norte de Minas, catalogando as inúmeras CAVERNAS da região, e ainda procura por mais fósseis de dinossauros!

Ubirajara Macedo, o “senhor dinossauro”!

A espécie mais famosa encontrada na região é um TITANOSSAURO, que chegava à 13 metros de comprimento, e 4 metros de altura. Foi batizado de TAPUIASSAURO MACEDOI, em homenagem aos índios Tapuias que habitavam o interior do Brasil, e ao Sr. Ubirajara Macedo, o descobridor do fóssil!

INFELIZMENTE as OSSADAS e a RÉPLICA SAÍRAM do estado de Minas Gerais. MAS a promotoria pública já está movendo uma AÇÃO PARA TRAZER A RÉPLICA (que é de direito da cidade) de volta! E esperamos poder voltar algum dia para Coração de Jesus para ver a réplica do dinossauro norte mineiro!

Até agora foram encontrados 6 FÓSSEIS, porém no final de outubro de 2019, recebemos a notícia que foram encontrado outros fósseis!

Fundação Cultural José Alves de Macedo, o museu da cidade.

SÍTIO PALEONTOLÓGICO DO PIRIPIRI

O SÍTIO PALEONTOLÓGICO do PIRIPIRI é um dos locais onde foram encontrados FÓSSEIS de DINOSSAUROS!

Imagine os dinossauros andando por ali e se sinta no filme do Jurassic Park!

O caminhar no local, nos remete ao filme JURASSIC PARK. Um grande vale, com palmeiras espaçadas, que nos faz IMAGINAR aqueles ANIMAIS GIGANTESCOS circulando por lá!

Ainda é possível Encontrar PEQUENOS FRAGMENTOS dos FÓSSEIS dos DINOSSAUROS por lá. Vejam as fotos, e dê asas à IMAGINAÇÃO!

Pequenos fragmentos de ossos de dinossauros que ainda se encontram no sítio paleontológico do Piripiri.

INSCRIÇÕES RUPESTRES

Além dos fósseis de DINOSSAUROS, há na região de Coração de Jesus um lugar conhecido como a LAPA DOS TAPUIAS – CALIONGUÊ, cuja superfície está repleta de INSCRIÇÕES RUPESTRES!

Lapa dos Tapuias – Calionguê: Uma grande extensão repleta de inscrições rupestres.

Estas inscrições datam de 12.000 ANOS atrás! E um diferencial em relação às inscrições rupestres da região, é que alguns desenhos foram feitos com TINTA BRANCA, e não o tradicional vermelho e amarelo encontrado nas regiões vizinhas. Um REGISTRO MAGNÍFICO dos ANTEPASSADOS que habitavam esta região!

Conhecer algo tão RARO nos trouxe muita EMOÇÃO. PORÉM, essa emoção se transformou em uma GRANDE TRISTEZA, ao perceber que os visitantes atuais não RESPEITAM ou VALORIZAM algo de VALOR TÃO INESTIMÁVEL!!!

Encontramos muitas INSCRIÇÕES “BURRESTRES” riscados por cima das INSCRIÇÕES RUPESTRES. Tem vários nomes, números, e desenhos que danificaram destas raridades. TRISTE e REVOLTANTE!

Triste constatação do vandalismo sobre as inscrições rupestres.

Por este motivo, resolvemos ir nas ESCOLAS PÚBLICAS para informar o ocorrido, pois SE QUEREMOS PRESERVAR, TEMOS QUE EDUCAR! E o IMPACTO foi muito POSITIVO! Vejam o vídeo das nossas palestras em Coração de Jesus!

VK nas escolas: mostrando uma Coração de Jesus que eles não conheciam.

Se a GERAÇÃO de AGORA não PRESERVAR, as GERAÇÕES FUTURAS não terão a chance de APRECIAR!

Em destaque

ADOÇÃO, UM ATO DE AMOR E ATITUDE

Toda história de adoção é especial… Mas no nosso caso, a nossa história com a Mel é mais especial ainda, porque foi ela quem nos adotou!

Para quem não sabe, nós somos a San e o Cris do Viagem Kombinada. Construímos a nossa casa sobre rodas e hoje viajamos, trabalhamos e moramos na nossa Kombi Beatriz.

Em fevereiro de 2019, estávamos na cidade de Grão Mogol (MG), quando uma cachorrinha muito magra e doente se aproximou da Kombi. Com muita pena, demos o resto da nossa janta para ela e isso bastou para que ela aparecesse ali perto todos os dias!

Não sabíamos o nome dela e começamos a chamá-la de “Pequena”. Foi assim por alguns dias, até que eu (San) fiquei doente.

Fui internada no hospital no sábado a tarde e no domingo de madrugada, o Cris que estava no estacionamento do hospital, acordou com a cachorrinha chorando do lado de fora da Kombi. A Pequena conseguiu nos achar no hospital!

E quando eu tive alta, lá estava ela, bem no meio da porta principal com o rabinho abanando.

E com medo de nos perder novamente, quando saíamos de Kombi, olhávamos pelo retrovisor e lá estava ela, correndo atrás de nós.

Nos surpreendeu a sua luta para não nos perder e diante de tanto esforço, como deixá-la para trás? Não teve como!

Assim decidimos ter de fato uma nova integrante nesta Viagem Kombinada!

Algumas semanas depois reconheceram a nossa Pequena. Assim soubemos que ela foi abandonada doente e descobrimos que o seu nome verdadeiro é Mel!

Hoje a Mel aprendeu o que é carinho, o que é colo e aprendeu a brincar! Ela nos acompanha nas nossas aventuras e fica muito feliz fazendo trilhas, entrando em cavernas, atravessando riachos, passeando de barco pelo Rio São Francisco e tudo mais!

Ela também nos ensina muito! Já nos ensinou a ter muita paciência e já nos ensinou que família é todo mundo junto, pois ela dificilmente vai para algum lugar enquanto nós 3 não estamos juntos!

ensaio fotográfico em família, em Janaúba-Mg
Ensaio fotográfico em família, em Janaúba-Mg

E como fazemos palestras nas cidades por onde passamos, a Mel também é reconhecida por onde a gente passa. Tem gente que a cumprimenta na rua e até pedem para tirar fotos só com ela!

Hoje usamos o exemplo da Mel em nossas palestras também:

Se uma cachorrinha de rua teve a ATITUDE de lutar pelo o que ela queria e conseguiu, então por que as pessoas não podem fazer o mesmo?

A Mel é uma estrelinha que veio pra brilhar! Ela se encaixou tão bem no nosso estilo de vida que parece que a Mel sempre fez parte do Viagem Kombinada!

Hoje em dia não imaginamos a nossa vida sem esta parceirinha esperta, carinhosa e muito aventureira! Nós somos muito abençoados pela Mel nos ter escolhido! Nós te amamos muito MEL!!!!!

Mel a cachorrinha viajante

Para quem quiser acompanhar as aventuras da Mel no Instagram siga o feed dela: @mel_a_cachorrinha_viajante , “cãombinado”?

Em destaque

Uma experiência real, transformada em Guia Digital.

Olá! Como muitos já sabem, desde maio de 2018 largamos tudo em São Paulo, e hoje moramos, viajamos e trabalhamos em uma Kombi chamada Beatriz, e deste então vivemos uma Viagem Kombinada pelos Lugares de Minas!

Cris, San e a Mel, a cachorrinha viajante em Janaúba, Minas Gerais – Foto: Silvio Silva

Desde que iniciamos o Viagem Kombinada, por missão e desejo próprio, interagimos profundamente com cada comunidade visitada, vivenciando experiências, e sempre que possível, atuando como agentes transformadores, buscando despertar e auxiliar as comunidades a melhorar ou se desenvolver, através de bate papos e ações localizadas, baseadas principalmente em nosso conhecimento prático de muitos anos em viagens e turismo pelo Brasil e pelo Mundo.

Deserto do Atacama

Neste tempo todo de estrada, fomos nos adaptando a cada realidade social e econômica encontrada, e essa nossa bagagem de vida nos permitiu nos reinventarmos, várias vezes.

Nesta vida nômade, já trabalhamos de inúmeras formas, com vários produtos e serviços, desde a producão de ensaios fotográficos, artesanatos, prestando consultorias na área de gastronomia, workshop fotográficos, criando estratégias em marketing digital e real, e também realizando palestras motivacionais e educativas.

Palestra Turismo Empreendedor – Serranópolis de Minas – MG

Esta curva de experiência desenvolvida na estrada, aliada a nossa formação profissional multidisciplinar, juntamente com a missão de “SER AGENTE TRANSFORMADOR” das comunidades visitadas, gerou a oportunidade e nos levou à um produto digital transformador, o GUIA TURÍSTICO DIGITAL, um guia totalmente interativo, compartilhável, perpétuo e único!

Cris e San, durante a captação de material para o Guia Digital de Lagoa dos Patos,  integrante da Coleção de Guias Circuito Turistico Lago de Irapé
Cris e San – Durante a produção de conteúdo para o Guia Turistico Digital de Lagoa dos Patos – MG

O Guia foi criado para gerar transformação real nas comunidades, com o objetivo de promover e auxiliar na divulgação de cidades com grande potencial turístico, mas ainda com pouca visibilidade.

O material que o compõe é captado in-loco, 100% na prática, 100% produzido nós, através de visitas aos atrativos turísticos, interação com a população local, contato direto com a cultura e costumes locais, tornando o produto final, uma experiência real, produzindo ao leitor, no caso o Turista, o desejo de querer vivenciá-la também, se identificando, vivenciando a cidade de uma forma única.

Capa de Estudo – Guia Turístico Viagem Kombinada por Minas Gerais.

O Guia será disponibilizado, de forma gratuita, em formato digital, onde os turistas e viajantes de todo o Brasil terão em mãos, o Guia Turístico da sua cidade, com todas as informações necessárias para que ele tenha uma experiência mais proveitosa na localidade em questão!

Já os moradores, comerciantes e empresários locais e regionais terão em mãos, uma ferramenta de divulgação poderosa no seu celular, capaz de promover um engajamento social real, sendo assim, fundamental no processo de desenvolvimento turístico local.

No momento já estamos trabalhando na produção da primeira coleção de Guias. Atualmente somos parceiros do Circuito Turístico Lago de Irapé, um circuito composto por 16 municípios situados no Norte de Minas Gerais e Vale do Jequitinhonha, divididas em quatro rotas: Rota Coração de Jesus, Rota Turmalina, Rota Grão Mogol, e Rota Montezuma.

Vamos passar por todas as cidades deste Circuito neste segundo semestre de 2019. Acompanhe os bastidores da primeira coleção, acessando nossas redes sociais e de nossos parceiros, dentre eles as páginas do Facebook do Lugares de Minas, uma das maiores páginas de divulgação do turismo em Minas Gerais e do Circuito Turístico Lago de Irapé.

Para saber mais sobre o Guia, sobre seu formato, como é produzido, serviços e transformação gerada durante todo o processo, tempo de produção, diagramação, escreva para nosso e-mail e veja como ter este trabalho transformador em sua cidade.

Não perca esta oportunidade única, poder levar uma experiência real para sua cidade, usar da experiência de quem vivencia o turismo no Brasil e no Mundo a mais de 20 anos.

O Guia Digital Turístico é mais que um guia, é um processo de transformação imersivo, com foco no mundo real e digital! Aguardamos o seu contato!

San e Cris, Mel a Cachorrinha Viajante, as margens do Rio Gorutuba em Janaúba. Foto : Silvio Silva.

Em destaque

DIA DOS NAMORADOS ÀS AVESSAS

💔 Para quem NÃO tem com quem comemorar o Dia dos Namorados, ver uma enxurrada de casais e suas declarações de amor nas redes sociais, pode ser muito tranquilo para alguns, mas triste, e até muito chato pra outros, certo?

Flagrados por nosso amigo Caetano.

🔸Sabemos BEM, afinal, nós também já fomos SOLTEIROS! †

Cris e San em Grão Mogol – Norte de Minas Gerais

🔸Mas PARA QUEM ESTÁ SOZINHO, damos a dica: apaixone-se por aquela pessoa que você vê diante do espelho! Sim, por você mesmo!
.
🔸”Ah vá… estou sozinho(a), e vocês falam pra continuar sozinho(a)???”
.
🔸Gente, se apaixonar por você mesmo significa que você está TÃO BEM sozinho, que você consegue ser FELIZ sem precisar de alguém pra te fazer feliz!

📷 Flagrados por nosso amigo @_de_repentecaetano

🔸Aliás, o maior ERRO é esperar encontrar a SUA felicidade no OUTRO!
.
🔸Com a gente aconteceu isso ANTES da gente se conhecer! Estávamos cada um em um canto, sendo FELIZES SOZINHOS! E só então, a vida nos uniu para ser FELIZES JUNTOS!
.
🔸Pense nisso! E seja FELIZ! 💕

Em destaque

Um ano vivendo em uma das menores casa do Mundo!


Em UM ANO vivendo de forma NÔMADE, muita gente JÁ TERIA ANDADO POR MEIO MUNDO, ou já teriam visitado OS MELHORES POINTS DE TURISMO aqui no Brasil!

No entanto, até agora só passamos por um único estado, e apenas 14 cidades! Por aí já dá para perceber que NÃO SOMOS como a maioria dos VIAJANTES!

Quando saímos de São Paulo há um ano, a ideia era viver na estrada. E VIVER NA ESTRADA NÃO SIGNIFICA SER ETERNOS TURISTAS! Viver na estrada só se diferencia de uma vida convencional, pelo fato da nossa CASA TER RODAS, e com isso temos MUITAS POSSIBILIDADES DE MUDAR de QUINTAL e de ESCRITÓRIO quando bem entendermos! Mas fora isso, também temos que TRABALHAR para nos manter, SEJA ONDE FOR! E isto sem dúvidas, é FUNDAMENTAL!

Antes de cairmos na estrada, nos disseram: “A ESTRADA TE DÁ TUDO O QUE VOCÊS PRECISAM!”. E podemos constatar que isso é VERDADE! E ainda acrescentamos que: A ESTRADA TE DIRECIONA PARA ONDE VOCÊ TEM QUE IR, E O QUE FAZER TAMBÉM.

Um exemplo disso são as mudanças das nossas fontes de renda ao longo da estrada. Começamos com a ideia de trabalhar com ensaios fotográficos, mas atendendo a pedidos, acabamos criando e desenvolvendo produtos para vender na estrada!

Ao mesmo tempo, a nossa GRANDE EXPERIÊNCIA EM VIAGENS (anterior ao Viagem Kombinada), alinhadas às nossas EXPERIÊNCIAS DE VIDA, aos nossos CONHECIMENTOS PROFISSIONAIS, misturado com o desejo de APRENDER SEMPRE, tudo isso JUNTO E MISTURADO, tem nos direcionado à NOVOS TRABALHOS E NOVAS OPORTUNIDADES!!!

Viajando pelo NORTE DE MINAS, conhecemos muitos LUGARES POUCO CONHECIDOS, POUCO DIVULGADOS, e com um POTENCIAL TURISTICO POUCO APROVEITADO. Assim, quando menos se espera, estamos INSERIDOS NA COMUNIDADE, dando ideias, participando de reuniões, chamando a comunidade para a ação!

E diante de tudo isso, O MELHOR DE TUDO É SABER QUE AS NOSSAS AÇÕES ESTÃO DEIXANDO SEMENTES POR AÍ! E poder ver e acompanhar o CRESCIMENTO DESTAS SEMENTES, nos deixa muito ORGULHOSOS! Afinal, NÃO ESTAMOS APENAS FAZENDO TURISMO… Estamos TENTANDO FAZER A NOSSA PARTE, e usando os nossos CONHECIMENTOS para AJUDAR e para FAZER A DIFERENÇA!

Ver que as NOSSAS AÇÕES têm trazido ALGUM RESULTADO para AS COMUNIDADES por onde passamos, é muito GRATIFICANTE! É um LEGADO do qual ainda esperamos ver muitos FRUTOS no futuro!

Ou seja, muitas MUDANÇAS aconteceram neste último ano! Saímos da nossa ZONA DE CONFORTO, mudamos para uma das MENORES CASA DO MUNDO, fomos mudando as nossas FONTES DE RENDA ao longo da estrada, descobrimos MUITOS POTENCIAIS, VIVENCIAMOS MUITAS EXPERIÊNCIAS, e agora com a Mel*, a nossa mais nova integrante canina, TEMOS APRENDIDO AINDA MAIS!

Aproveitamos para agradecer de coração, a todos que nos acompanham e que torcem por nós! Nos vemos na estrada!!!

* Para quem não conhece a Mel e gostaria de saber sobre a nossa história de luta, de paciência, e de muito amor, criamos um Insta da Mel: @mel_a_cachorrinha_viajante  

Confira lá, kãobinado?

Em destaque

Nossa família vai aumentar?


Dia #300. O que você faria?

🔸Dia #300. O que você faria?
.
🔸Eu e o Cris já discutimos muitas vezes sobre o fato de ter ou não um cachorro na Kombi. O Cris quer muito, e apesar de eu AMAR cães e outros bichos, tento ser realista.
.
🔸Eu já tive e cuidei até o fim da minha cachorrinha, a Winnie. Mas ter um cão não implica em dar água, ração, e carinho. Tem as vacinas, banhos, remédios, fora as corridas para o veterinário quando uma cadela do mal pega a sua cachorrinha pela cabeça, ou quando ela tem hemorragia em plena madrugada.
.
🔸Acreditem, eu adoraria ter uma outra companhia canina, mas o espaço interno da nossa Beatriz é muito reduzido. Se ela não puder nos acompanhar em algum lugar, ela vai ficar dentro da Kombi? E o calor com as portas fechadas?
.
🔸Mas agora tem uma cachorrinha que está lutando tanto pra ficar com a gente, que talvez a gente tenha que levá-la conosco.
.
🔸Na verdade duas cadelinhas de rua nos adotaram. Andam com a gente pra onde for, e sempre estão por perto, inclusive nos defendem de pessoas com energia ruim.
.
🔸Uma delas é a Creia. A xodó da cidade, recebe cuidados de toda a comunidade. A outra, parece que foi abandonada aqui em Grão Mogol há pouco tempo. Poucos a viram ou a notaram. Não sabemos o seu nome e a sua história. Mas ela está bem magrinha, e com sarna.
.
🔸Elas estavam sempre por perto, até que fui internada. Mas passado uns dias sem nos ver, a outra cachorrinha que chamamos de Pequena, nos achou no hospital, bem afastado de onde ela nos encontrava.
.
🔸 Saí do hospital e rodamos pela cidade pra almoçar, ir à farmácia, etc. Perdemos ela de vista. No dia seguinte ela nos acha em outro ponto da cidade, e ao encontrar a Beatriz, ela chega choramingando como quem ficou chateado por deixá-la pra trás.
.
🔸 Depois disso ela segue a Beatriz pra não ficar pra trás. Como não se comover com tanto esforço para não nos perder?
.
🔸Mas não sabemos mesmo o que fazer… E você?… O que você faria?


Em destaque

Você já plantou uma árvore?

Plantio da nossa primeira árvore no evento Arboriza Janú, em Januária, MG

Tivemos a oportunidade de plantar a nossa primeira árvore em um evento inaugural chamado Arboriza Janú, em Januária no norte de Minas. E foi justamente no mês de Setembro, um dia após o Dia da Árvore!

Foi muito bom fazer parte de um evento como este! Plantamos uma árvore chamada Embaré, da família das barrigudas, árvore típica dos sertões e caatingas, e por isso, comum também na região norte mineira. E além da Embaré ser uma árvore típica, segundo o Cris, uma Embaré “kombina” bastante com o perfil dele!

Fora isso, a sensação de deixar um registro vivo da nossa passagem por Januária, foi gratificante! Tanto é que isto nos animou a repetir esse ato nos lugares por onde passarmos, e assim criamos outra ação social (além da ação junto com o Achei Origami, e das nossas palestras em escolas Estaduais e Municipais) na nossa Viagem Kombinada!

Retirada de mudas de ipê no viveiro da prefeitura de Porteirinha, MG. As fotos abaixo são do plantio de uma muda de ipê na escola estadual Orlando Coelho, em Porteirinha, MG.

LIGANDO A NOSSA HISTÓRIA A ESTAS ÁRVORES, É UM ELO QUE FORMAMOS COM A CIDADE, COM OS MORADORES, E PODE DURAR POR MUITAS GERAÇÕES!

Nesta ação procuramos sempre deixar alguém ou algum grupo responsável por cuidar das nossas arvores! Geralmente passamos os cuidados para as crianças, com o intuito de criar responsabilidades desde cedo!

O pequeno Enzo cuidando do nosso ipê em Serranópolis de Minas, MG.

Um exemplo é o fofucho que está no vídeo! Ele é o pequeno Enzo cuidando da plantinha que crescerá junto com ele! O Enzo completou 2 anos em Janeiro de 2019, e pedimos aos pais dele para mandar uma foto do Enzo com este ipê, em cada aniversário dele! Será fantástico acompanhar o crescimento dos dois, concordam?

E você, já pensou em plantar uma árvore, ou já plantou uma? Conte pra gente!

Em destaque

Retrospectiva 2018

O Ano de 2018 foi muito ESPECIAL para nós! Saímos da nossa zona de conforto, mudamos radicalmente a nossa vida, e hoje encaramos a vida na estrada!

No dia 1º de Janeiro a nossa Kombi Beatriz, estava pronta, e então caímos na estrada para a nossa primeira viagem teste da nossa casa sobre rodas!

Fomos até o sul do Mato Grosso do Sul para visitar uns parentes, e de lá retornamos a São Paulo depois de 3 meses construindo os móveis da nossa Kombihome, para desfazer de tudo o que a gente tinha, antes de começar a nossa vida nômade!

Ainda neste período em São Paulo, tivemos a oportunidade de encontrar outros apaixonados por Kombis, e aproveitamos estes primeiros meses do ano para fazer mais viagens testes para assegurar que a casa sobre rodas estava em ordem, antes de pegar a estrada em definitivo!


No dia 4 de Maio de 2018, com os testes e ajustes feitos na Kombi, apartamento em São Paulo desocupado, começava enfim, a nossa vida sem CEP!

E DESDE ENTÃO, TEMOS VIVIDO COM MENOS, MAS VIVEMOS MELHOR!

Neste ano de 2018, visitamos 19 cidades, trabalhamos na estrada, estudamos e desenvolvemos produtos para a venda presencial, vivenciamos muitas experiências, ou seja, mudamos radicalmente o nosso estilo de vida!

Conhecemos lugares incríveis e surpreendentes como o Vale do Peruaçu, e outros igualmente surpreendentes mas pouco conhecidos como Matias Cardoso, e Serranópolis de Minas. Paisagens belíssimas, com muita diversidade de relevo, e de vegetação!

Vivenciamos muitos eventos culturais como a Cavalhada, o dia dos Santos do Rio, e tivemos o privilégio de assistir uma apresentação de músicas típicas, como a Catira e da Folia de Reis, feita especialmente para nós! Também conhecemos o compositor Geraldo Gomes que nos encantou ao som da sua sanfona, e escutamos os causos mirabolantes do Sr. Oscarino, que segundo ele, é tudo verdade!

Experimentamos pratos típicos do norte mineiro, como o maxixe, a galinha caipira, e a paçoca de carne seca. Saboreamos uma grande variedade de sucos, como o cajá-manga, tamarindo, suco de coquinho, e vários outros… Um suco que nos surpreendeu foi o de semente de abóbora com limão! Delicioso e muito nutritivo! Ainda provamos uns pratos bem diferentes como o ensopado de cabeça de peixe, e a farofa de palma (um tipo de cacto). Tudo muito delicioso!

Conhecemos pessoas incríveis! Pessoas que nos acolheram, pessoas que cuidavam de nós, pessoas que nos surpreenderam, que nos fizeram rir e chorar de emoção! Ainda não sabemos muito bem o que acontece, mas vira e mexe a nossa Kombi vira um divã, e quando menos se espera, sempre rolam muitas emoções e muitas lágrimas também!

E para quem não sabe, ainda fazemos ações sociais por onde passamos. Em parceria com uma ação urbana de São Paulo, o Achei Origami, em cada cidade deixamos pelo menos um origami (figuras feitas com dobraduras) para alegrar o dia de quem o achar!

Também visitamos as escolas estaduais e municipais nas cidades por onde passamos. Como nós tivemos que usar muito conhecimento e criatividade para que coubesse uma casa completa dentro de um espaço tão reduzido, incentivamos os alunos a alinhar os estudos e a criatividade para solucionar as questões do dia a dia! Além disso, mostramos um modo de vida alternativo, onde também falamos de sustentabilidade, do uso consciente da água e da energia elétrica.

Outra ação social que temos feito ultimamente, é o plantio de pelo menos uma árvore em cada cidade por onde passamos! Após o plantio, deixamos algum responsável para cuidar da árvore, e assim vamos acompanhando o seu desenvolvimento à distância! Geralmente passamos os cuidados para as crianças, com o intuito de criar responsabilidades desde cedo!

Ligando a nossa história a estas árvores, é um elo que formamos com a cidade, com os moradores, e que pode durar por muitas gerações!

Enzo, o nosso cuidador do nosso ipê em Serranópolis de Minas. Vão crescer juntos!

E para fechar o anos com chave de ouro, um outro acontecimento que nos marcou foi que, devido às nossas experiências em viagem e turismo (muito antes mesmo da nossa Viagem Kombinada), a comunidade de Serranópolis de Minas nos convidou para avaliar o potencial turístico da região, e disso criamos a nossa primeira palestra sobre o Turismo Empreendedor! Uma experiência incrível, onde nos orgulhamos de ter plantado uma semente para o desenvolvimento do turismo nesta região, que tem muito mais que belas paisagens!

Uma das coisas que devemos esclarecer, é que o nosso estilo de vida NÃO É FÁCIL NÃO! Saímos da nossa área de conforto, e em cada cidade que chegamos temos que RECOMEÇAR, conhecer novas pessoas, vender os nossos produtos, e conseguir algum trabalho.

Mas por outro lado, por tudo o que temos vivido, nós temos muito o que agradecer! Foi um ano cheio de DESAFIOS, mas também de muitas VIVÊNCIAS e muito APRENDIZADO, de NOVAS AMIZADES, e de GRANDES MEMÓRIAS!

NÓS NUNCA TIVEMOS TÃO POUCO EM TERMOS MATERIAIS E FINANCEIROS, MAS AO MESMO TEMPO, NUNCA FOMOS TÃO PLENOS E FELIZES COMO AGORA!

Que 2019 seja para todos nós, tão maravilhoso como 2018 foi para nós! Aproveitamos para agradecer à todos que nos acompanham, que nos incentivam, que mandam muitas palavras de carinho e boas energias para nós! Que vocês recebam em dobro tudo aquilo que vocês nos dão!

E continuem com a gente, porque ainda temos muito muita estrada pela frente, kombinado???

Em destaque

Onde ficar no Vale do Peruaçu!!!

Placa de Identificação da Pousada

Dia 15 de setembro chegamos na Região do Vale do Peruaçu, norte de Minas Gerais.

Ficamos estacionados nas dependências da Pousada Recanto das Pedras, localizada no distrito de Fabião II, município de Januaria.


Kescia a proprietária, e toda sua equipe nos acolheram de forma incrível.
Ficamos 7 dias. Tivemos  uma experiência marcante.
A Pousada oferece diariamente  aos frequentadores do Parque Nacional Cavernas do Peruaçu além do serviço de hospedagem, o serviço de aLimentação, permitindo a reposição da energia muito bem gasta para percorrer trilhas que existem no parque.
Alimentação saudável, oferecida ao preço justo, feita sempre na hora, com produtos frescos.

Fogão a lenha, característico na culinária mineira.

A Pousada oferece diariamente  aos frequentadores do Parque Nacional Cavernas do Peruaçu além do serviço de hospedagem, o serviço de alimentação, permitindo a reposição da energia muito bem gasta para percorrer trilhas que existem no parque.

A decoração da pousada é rustica, lembra-nos hospedagens da região do Atacama, San Pedro do Atacama no Chile.

A área externa é de um charme só. Para onde você olhar vai encontrar um detalhe, algo que conta um pouco a história da região do Vale do Peruaçú.


Ao visitar a Pousada Recanto das Pedras não deixe de perguntar, sobre o “Pé de Tamboril”, uma frondosa árvore da propriedade, local muito agradável para relaxar e observar a natureza, especialmente a noite, onde a observação das estrelas é perfeita.
Um portal, nas proximidades de num dos Lugares de Minas Gerias mais incríveis do Norte de Minas, o Vale do Peruaçu!
Esta foi nossa impressão sobre Kescia e sua pousada, somos nômades,  e nos deslocamos em nossa casa sobre rodas, a Kombi Beatriz.

Em destaque

Você sabe o que é um Origami?

Achei Origami de Carona
Achei Origami de Carona com o Viagem Kombinada

A Beatriz vai dar carona!!!! Calma, calma! Pelo fato da Kombi ser furgão, não podemos carregar passageiros!

Mas daremos carona a uma ação bem legal chamada Achei Origami! Esta ação foi idealizada por duas jornalistas, a Marina Pape e a Stella Vasco, ambas de São Paulo. Trata-se de uma intervenção urbana onde os origamis carregam mensagens inspiradoras, com o objetivo de trazer boas energias a quem o achar!

Origami
Achou um Origami? Fotografe e nos marque nas redes sociais!

Já éramos fãs deste projeto, e agora levaremos estes origamis de carona na nossa Kombi Beatriz, e estes serão espalhados pelo Brasil, por onde o Viagem Kombinada passar!

De carona com a Beatriz
De carona com a Kombi Beatriz! Acompanhe você também!

Se você encontrar um, tire uma foto, marque onde você o achou, e marque as duas páginas @acheiorigami e @viagemkombinada tanto no Instagram e Facebook! E independentemente de você achar um origami ou não, que o seu dia seja lindo, com muitas energias positivas!!!!

Tsuru
Que o origami lhe traga alegria!
Em destaque

Go Outside – Bate papo sobre a construção de seu próprio Motor-Home

Para realizar o sonho de ter uma casa sobre rodas, muitas pessoas acabam fazendo adaptações em veículos para então viver na estrada, conosco não foi diferente!

Fomos convidados pelo site da Revista Go Outside para um bate-papo descontraido sobre a construção de nossa casa rodante na Kombi Beatriz e um pouco sobre nosso projeto de vida nômade.

A reportagem completa , com vídeo você encontra clicando  na foto abaixo!!!

Vida Nomade
Vista para nossa casinha sobre rodas em modo cama!!!

Em destaque

As múltiplas funções do nosso bagageiro

A nossa casa é pequena, mas o nosso quintal é o mundo!!! E sempre que der, ainda teremos uma pequena varanda! Olhe só!

Toldo
Toldo preso ao bagageiro, compondo a nossa varanda.

Isso se deve ao aproveitamento da estrutura do bagageiro para o suporte tanto do nosso toldo, como para o suporte do nosso box do chuveiro.

O TOLDO E A NOSSA VARANDA

O toldo da Kombi é estruturado por apenas duas hastes metálicas que transportamos dentro de um tubo de PVC, em cima do bagageiro. Estas hastes são encaixadas na lateral da Kombi, na própria estrutura do bagageiro!

Compramos um kit toldo na região do Brás em São Paulo, e pagamos por volta de R$55,00 o kit manual, sem a lona e as barras que seguram a lona.

Mas o sistema que fizemos aproveitando a estrutura do bagageiro ficou bem simples! Só temos um pouquinho mais de trabalho só para desenrolar e enrolar o toldo, pois o nosso sistema é manual. Mas nada tão demorado assim…

Que tal um cafezinho na nossa varanda?

Nossa varanda
Varanda com bastante espaço para trabalhar, fazer as refeições, e descansar.

No video abaixo mostramos com é pratico o processo de montagem de nosso toldo.

 

BOX DO CHUVEIRO

Aproveitamos a estrutura do bagageiro também para encaixar as barras em forma de “U” que compõe o nosso box do chuveiro! É só puxar de dentro dos perfis metálicos, e pendurar a lona através de ganchinhos!

Box do chuveiro
Barras em forma de “U” saem de dentro da estrutura do bagageiro e formam o box do chuveiro.

Optamos por usar uma lona mais grossa para evitar que o vento nos apronte algo durante o banho! Também usamos as mesmas cores que a nossa Kombi Beatriz pra deixar tudo “kombinando”!

Hora do banho
As cores do box do chuveiro “kombinam” com as cores da nossa Kombi Beatriz.

Ah! E ainda temos a opção de usar a lona do box do chuveiro para montar nas bordas do toldo, duas paredes em “L” caso o sol esteja mais de lado, ou se tiver muito vento na nossa varanda!

Ou seja, temos um bagageiro e uma lona com múltiplos usos! Isto é Praticidade!!!

Em destaque

Energia Solar na Kombi Beatriz

Como toda casa convencional, nossa casinha sobre rodas também possui um sistema de energia elétrica, projetado para alimentar nossos equipamentos eletroeletrônicos.

Beatriz na sala de espera da Renergy Energia Solar
Beatriz na sala de espera da Renergy Energia Solar

A energia elétrica da casinha, é composta atualmente de dois circuitos , independentes entre si, com características e relevâncias específicas. São eles:

  • Um Circuito Elétrico Interno (Fotovoltaico -12/127volts
  • Um Circuito Elétrico de Origem Externa (127/220v).

Sendo os dois circuítos controlados neste painel, mostrado na foto abaixo.

Disjuntores
Vista do controlador de carga (azul), e do nicho que abriga os disjuntores.

O circuito principal, é o circuito interno, que basicamente capta energia solar através de um painel fotovoltaico, que a transforma em energia elétrica 12 volts, e por meio de um controlador de carga armazena esta energia em uma bateria estacionaria.

Processo de Instalação dos Circuitos Elétricos
Interior da Kombi Beatriz durante o processo de instalação dos circuitos elétricos.

Uma vez armazenada na bateria estacionaria a energia pode ser utilizada no “formato” 12 volts, ou fazer-se uso de um conversor de energia, que transforma esta energia elétrica de 12 volts para 127volts, permitindo o uso de equipamentos que funcionem nesta corrente, como laptops, celulares, etc.

A bateria estacionaria e o inversor foram instalados na parte interna de nosso sofá/baú/cama, como forma de melhor aproveitar o espaço interno da Kombi.

Nosso circuito interno é composto por:

  • Painel Solar;
  • Bateria estacionaria;
  • Controlador de Carga;
  • Disjuntores;
  • Fusíveis de proteção;
  • Inversor;
  • 2 Tomadas 12 volts;
  • 4 Tomadas 127 volts;

O circuito elétrico interno tem como principal função alimentar nossos equipamentos que utilizam a energia elétrica em formato 12 volts, que são um Climatizador, uma bomba d’agua de nossa cozinha, a bomba d’agua do chuveiro, iluminação em led, e nossa geladeira que funciona em 12/24/110 ou 220 volts.

Nossa geladeira, produzida pela Resfriar, fora o equipamento que mais influenciou no projeto elétrico, ela tem capacidade de 31 litros, funcionando em 12/24/110/220 volts.

 

Este circuito fora calculado para termos cerca de 30 horas de autonomia em energia elétrica, com consumo moderado, sem precisarmos utilizar fonte externa de energia para o funcionamento principalmente da geladeira.

Já o circuito elétrico de origem externa, é mais simples.

É composto por uma tomada de conecção, localizada próximo ao motor da Kombi, que ligada a rede de energia elétrica externa através de um cabo fornece energia 110volts ou 220 volts dependo da região do Brasil para que possamos conectar a geladeira e ou equipamentos eletroeletrônicos.

Nosso circuito “externo” é composto por:

  • Tomada Trifásica,
  • Extensão Trifásica;
  • 4 Tomadas 127/220 volts.
  • Disjuntores;

Todo o sistema elétrico autônomo da Kombi Beatriz,  fora dimensionado pelo engenheiro eletricista Ivan Menezes, da Renergy Energia Solar, de Janaúba, Minas Gerais, especializados em geração de energia elétrica através de painéis solares, com base nas informações fornecidas por nós, atendendo as nossas necessidades.

Queres saber mais sobre nosso o projeto do nosso sistema de energia elétrica é só escrever para nós.

Para saber mais sobre as vantagens de usar Energia Solar é só acessar o site da Renergy Energia Solar que tem muita informação legal sobre o assunto.

 

Em destaque

Montanhismo no Paraná – Trekking ao Pico do Itapiroca

A criação do Viagem Kombinada tem nos proporcionado conhecer muitas pessoas legais, dentre elas, o casal Alessandro e Kamila.

Alessandro e Kamila, moram atualmente na cidade de Curitiba – PR, e  nos convidaram para subir o Pico do Paraná, maior montanha do sul do país, com seus 1876m acima do nível do mar.

Convite aceito, marcamos para o dia 30 de agosto a subida o Pico Paraná com pernoite no cume, com o simples objetivo: apreciar o espetáculo do pôr do sol no dia 30 e nascer do sol no dia seguinte no cume. E graças a eles, nossa visita a Curitiba acabou se tornando uma incrível aventura, para os “tiozinhos” aqui!

Chegamos em Curitiba dia 27 à tarde, cumprimos a agenda familiar, e na terça-feira a tarde separamos os equipamentos e montamos as mochilas.

 

Feito isso, decidimos compartilhar em nossas redes sociais que iríamos subir o Pico Paraná na quarta-feira 30 de agosto.

Bendita hora que fizemos isso. Logo que postamos, começamos a receber mensagens de amigos montanhistas experientes nos alertando do alto grau de dificuldade que é a subida ao Pico Paraná. Conversamos então via telefone com o Carlos Henrique Câmara e Marcelo Barreto, montanhistas experientes para em conjunto avaliarmos se era viável enfrentar a subida.

Conclusão: não estávamos aptos para encarar o Pico do Paraná. Não iríamos fazer a trilha.

Tomada esta decisão comunicamos aos nossos amigos que entenderam a situação, e para não perdermos a viagem, sugeriam subir parte da trilha que leva ao Pico Paraná (PP), chegando ao Pico Itapiroca.

vista-trilha_pico_itapiroca_4
Vista do Geral da Região

Aceitamos e as 10 horas da manhã chegamos a Fazenda Paraná, localizada entre Campina Grande do Sul e Antonina, na Serra do Mar paranaense, a cerca de 40km de Curitiba.

Trilheiros
Cris e San, Alessandro e Kamila, ao iniciar a trilha

Foram cerca de 7 longas horas de caminhada para se chegar ao cume do Pico Itapiroca, 1.805m acima do nível do mar. Normalmente trilheiros com bom condicionamento físico, percorrem este trecho de 4,4 km em 3 a 4 horas.

Devido ao nosso péssimo condicionamento, percorrer a trilha foi um constante desafio físico e mental, mas no final concluímos que nosso limite é maior que imaginamos.

A trilha inicialmente é íngreme, e o sol em alguns pontos castiga. O primeiro ponto de parada é o Morro do Getúlio, com 2 horas de caminhada. Chegamos já exaustos e decididos a desistir, mas nossos amigos nos convenceram a prosseguir.

Bifurcação - Pico Paraná x Pico Itapiroca
Placa na bifurcação da trilha, indicando a direção para o Pico Paraná e para o Pico Itapiroca.

A parte seguinte até a chegada ao primeiro ponto de água, agora sob a copa das arvores não apresentou dificuldades, mas dali para frente a trilha apresentou inúmeras dificuldades técnicas e exigiu muita atenção. Este trecho é bem íngreme, com muitas raízes expostas, alguns pontos com grampos, o que exigiu um considerável exercício físico para chegarmos ao topo da montanha.

vista-trilha_pico_itapiroca_3
Em primeiro plano o Pico Itapiroca, ao fundo o Pico Paraná

Mas todo o esforço foi recompensado, quando no cume contemplamos a maravilhosa vista do Pico Paraná, da Serra do Mar, com sua exuberante Mata Atlântica, no litoral paranaense.

Vista para o Pico Paraná do Pico Itapiroca.
Vista para o Pico Paraná do Pico Itapiroca.

Chegamos ao cume do Pico Itapiroca, às 17 horas, montamos o acampamento e fomos apreciar o pôr do sol. A noite foi de muito papo e apreciação das estrelas.

Na manhã seguinte, acordamos bem cedo para vermos o raiar do sol. Foi um belo espetáculo… estávamos acima das nuvens, e os primeiros raios de sol pintavam o céu em diversos tons.

Tomamos café, desmontamos acampamento com muita calma, e as 10 horas começamos a descida para a Fazenda Paraná, sem muitas paradas pelo caminho, chegando à base no início da tarde sem nenhum imprevisto.

Preparamos dicas importantes:

  • É proibida a entrada na Fazenda Pico Paraná, de qualquer visitante que não esteja com sua própria lanterna e apito.
  • Melhor Época: Todo o ano. *Sujeito a alterações conforme condições climáticas – Durante o inverno (abril a setembro) é a melhor época (mais seca).
  • Sobre a Fazenda Pico Paraná: A Fazenda Pico Paraná possui infraestrutura básica para atendimento dos montanhistas que vão ao local. A Casa de Apoio ao Montanhista coloca ao seu dispor:
    • Área de camping;
    • 01 Banheiro com chuveiro quente;
    • Cozinha com pia, fogão e fogão a lenha para o preparo de refeições;
    • Áreas específicas para fogueira;
    • Estacionamento;
    • Churrasqueira móvel.
    • Lanchonete: Venda de pizza, pasteis, cachorro quente, cerveja, chá mate, refrigerante, cerveja, agua entre outros.
    • A Casa de Apoio é também o ponto de encontro dos montanhistas e aventureiros da região, que não raro, marcam novas aventuras e contam as antigas, em rodas de amigos. O clima amigável dos proprietários irá despertar em você a vontade de regressar.
  • COMO CHEGAR:
    • De Carro – Sentido SUL-NORTE – Saindo de Curitiba, pega-se a Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), sentido São Paulo. Após 40 km, contando do Trevo do Atuba (km 48), você encontrará o Posto Tio Doca (ao lado esquerdo da rodovia). Diminua a velocidade! Logo adiante por mais 1,8 km, chega-se a uma ponte sobre o Rio Tucum (km 46). Exatamente na cabeceira desta ponte (antes de cruzá-la) entre a sua DIREITA, numa estrada de terra. Segue-se por esta estrada aproximadamente 5,5 km, até a Fazenda Pico Paraná. Nesta estrada há algumas bifurcações. A direção correta está indicada por placas com o escrito “FAZENDA PICO PARANÁ”.
    • De Carro – Sentido NORTE-SUL – Vindo de São Paulo pela Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), cerca de 5,5 km após passar a ponte sobre a Represa do Capivari, chega-se no posto Tio Doca, à direita. Deve-se pegar o primeiro retorno, logo após o posto, e seguir então as mesmas instruções indicadas acima, para quem vem de Curitiba.
    • De ônibus – Embarque: Rodoferroviária de Curitiba.
    • Empresa: Princesa dos Campos.
    • Linha: Curitiba – Registro/SP ou Curitiba – Rio Pardo
    • Destino: Terra Boa. Dar como referência o posto Tio Doca, que fica nesta localidade. Após passar o ponto do posto Tio Doca, pedir para o motorista para descer na próxima parada, que fica exatamente junto à ponte sobre o Rio Tucum. A partir da ponte, seguir as mesmas orientações dadas acima, para quem vai de carro. O posto Tio Doca é o primeiro posto do lado esquerdo da BR-116 (sentido Curitiba – São Paulo) após passar a entrada da Estrada da Graciosa e a Polícia Rodoviária Federal. O tempo de caminhada da BR-116 até a fazenda é de aproximadamente 1,5 horas.
  • CHECK LIST – O que Levar
    • Vestuário 1ª Camada (Calça e Blusa 2ª Pele) + Camisa para dias quentes (evite algodão)
    • Vestuário 2ª Camada (Aquecimento) – Blusa Micro Fleece ou Pura Lã (evite algodão)
    • Vestuário 3ª Camada (Anoraque Impermeável e/ou Jaqueta Corta Vento (Repelente a água) para dias chuvosos e/ou frio) – Extremamente importante!
    • Tênis ou botas para caminhada
    • Meias (Sintéticas ou Pura Lã) – (evite algodão)
    • Chapéu / Boné / Viseira
    • Óculos de sol (Opcional) – Se trouxer, use tiras para evitar a perda do mesmo
    • Sistema de hidratação: Garrafa, cantil, mochila de hidratação
    • Protetor / Bloqueador solar esportivo ou de grande resistência à água
    • Protetor labial e Repelente de insetos.
    • Mochila de no mínimo 40L (Estilo Cargueira – Com fitas barrigueiras) – lembre-se dos equipamentos necessários: Saco de Dormir + Roupas + Barraca (Dividindo com seu parceiro) + Água + Isolante térmico + Itens pessoais + alimentação.
    • Para acampar:
      • Barraca de Ataque (2 pessoas) – Leve, compacta e resistente ao vento e chuva
      • Isolante/colchonete Térmico;
      • Saco de Dormir de no mínimo 0º (Temperatura de transição/conforto);
      • Lanterna (Obrigatório);
      • Apito (Obrigatório);
  • COMO AGIR:
    • Esteja bem fisicamente, o trekking é difícil;
    • Tenha atitude mental positiva em situações inesperadas;
    • Esteja ciente que as atividades na natureza podem indicar riscos e terá que supera-los;
    • Tenha flexibilidade e senso de humor, assim sua trilha se tornara ainda mais agradável.
    • Não crie expectativas de que tudo ocorra com perfeição ou dentro do planejado, mas sim, prepare-se para viver momentos intensos;
    • Esteja preparado para mudanças climáticas, e saibas seguir ou desistir com segurança.
    • Curta a natureza e respire o ar puro das montanhas.

 

Em destaque

Travessia Lapinha da Serra X Tabuleiro

A travessia Lapinha da Serra x Tabuleiro é considerada uma das mais belas e tradicionais trilhas de longa extensão do território brasileiro.

Tem seu início no distrito de Lapinha da Serra, no município Santana do Riacho e término no Distrito de Tabuleiro, pertencente ao município de Conceição do Mato Dentro no Estado de Minas Gerais.

Um lugar fascinante, imagens incríveis, experiências inesquecíveis que relatamos aqui.

24-Serra_da_Lapinha
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

Planejamos nossa travessia a partir da Lapinha da Serra, em 4 dias e três noites, pois pretendíamos curtir e fotografar todo o percurso.

Normalmente esta travessia é feita em apenas 3 dias e duas noites.

Nos acompanharam e nos guiaram nesta aventura o casal Emerson e Simone, nossos cunhados e conhecedores do percurso.

25-Grupo
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

Primeiro dia de Trilha

Lapinha da Serra – Casa de Ana Benta

Dormimos no camping das Bromélias, centrinho de Lapinha da Serra.

No dia seguinte desmontamos acampamento, arrumamos as mochilas, e em pouco mais de uma hora já estávamos percorrendo a tão esperada trilha. O relógio apontava  9 horas da manhã.

04-Cris_San_Si_Emerson
Equipados para começar a trilha  – Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

 

Logo em seu inicio deparamos com a parte mais difícil de todo o percurso, transpor a Serra da Lapinha, um maciço rochoso com cerca de 600m de desnível, que através de trilha montanha acima, e apreciando a paisagem, transpomos sem muita dificuldade.

Paramos para almoçar próximo a um riacho logo após termos finalizado a subida da serra e aproveitamos para descansar um pouco.

01-Cris_Lapinha

Nossa próxima parada a meia tarde, foi em um local chamado Prainha, onde aproveitamos para tomar um belo banho de rio e fazer um pequeno lanche. Um lugar muito bonito por sinal.

Após o lanche, mochila nas costas e mais uma caminhada, após duas horas estávamos na Casa de Ana Benta, a guardiã da Serra, onde faríamos o nosso Camping, pernoitando ali.

Na casa de Dona Ana Benta, já estavam vários grupos de aventureiros acampados e os melhores lugares já estavam ocupados, mas isto não era problema.

Dona Ana Benta, já não mora mais lá, falecera há alguns anos, e o seu sobrinho Lucas,  é quem agora cuida da casa, da pequena horta e de alguns animais.

Montamos nossas barracas próximo ao curral.

03-Cris-sentado
Cris em momento de descanso –  Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

02-San_Lapinha
San esperando o Cris descansar –  Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

A noite fora de muita prosa, ao lado da fogueira que nos aqueceu na noite fria.

Desta forma os grupos de aventureiros começaram a se conhecer, e desta forma conhecemos o Sr. Cesar Duarte, fotografo e aventureiro, pessoa singular.

 

Segundo dia de Trilha

Casa de Dona Ana Benta a Casa de Dona Maria

Mesma rotina do dia anterior: acordar, fazer o café e desmontar acampamento, e partir para o próximo ponto.

O objetivo do dia era chegar a casa de Dona Maria, ponto de apoio, com área de camping e comida caseira.

Sendo um ponto estratégico para chegar ao leito do rio Santo Antonio e assim conseguir chegar a “janela”, ao topo da Cachoeira do Tabuleiro.

 

31-Camping_Dona_Maria
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

 A casa de Dona Maria fica dentro dos limites do Parque do Tabuleiro.

Saindo da Casa de Dona Benta, percorre-se uma estrada de chão batido pelo campos de vegetação tipicamente rasteira, com ventos que amenizam a temperatura.

12-Cris_trilha
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

05-San_Lapinha
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

04-Cris-em_pe
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

A trilha segue muito tranquila, praticamente sem grandes desníveis.

Caminha-se por uma estrada de terra até chegar a porteira que marca a entrada do Parque.

06-Cris_San_Si_Emerson
Cris e San (esquerda) – Emerson e Simone (direita), na entrada secundária do Parque do Tabuleiro – Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

Na foto abaixo, a esquerda o Sr. Cesar Bahia Duarte e seu amigo de trilhas o Sr. Wolfgang Walz a direita.

34-Duarte
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

Ao meio dia paramos para fazer nosso almoço, num local chamado pelo Emerson de “curral”.

Continuamos nossa caminhada até um riacho, com piscina natural, onde paramos para tomar um banho de rio.

13- Travessia_de_curso_dagua

07-Cris-em_pe
Fotografia Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

Banho tomado, seguimos em frente e às 16 horas estávamos chegando na casa da Dona Maria, onde fomos muito bem recebidos pela própria Dona Maria que nos deixou a vontade, para escolher qualquer lugar para montarmos acampamento.

No local já haviam algumas barracas já montadas de outros aventureiros, mas, para nossa sorte o lugar com a melhor vista ainda não estava ocupado, foi lá que nos instalamos.

08-Dona_Maria
Fotografia Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

 

Terceiro dia de Trilha – Ida e volta á cachoeira

Acordamos muito cedo, para desfrutar da vista de nossa barraca durante o nascer do sol.

30-Camping_Dona_Maria

Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

Durante o café da manhã, na casa de Dona Maria, conhecemos o Lorenzo, um menino simples e carismático.

Ele estava lá, sentadinho, quieto em seus pensamentos, se aquecendo ao fogão de lenha, enquanto comia o pão com manteiga preparado por Dona Maria, sua avó.

27-Camping_Dona_Maria
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

Tomamos um delicioso café preto com cravo da índia, produzido na propriedade e preparado com muito carinho.

Após o café tivemos a oportunidade de brincar com o Lorenzo… as fotos descrevem o começo de uma amizade que surgiu de uma forma simples …. através de um simples avião de papel!

29-Camping_Dona_Maria
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

28-Camping_Dona_Maria
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

22-Camping_Dona_Maria
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

21-Camping_Dona_Maria
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

20-Camping_Dona_Maria
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

​Fortalecidos pelos momentos incríveis vividos com o Lorenzo, e pelo dia que se apresentava perfeito com um céu azul e temperatura amena, partimos para fazer a trilha que nos levaria ao topo da cachoeira do Tabuleiro.

A trilha até a cachoeira é uma descida bastante aberta com predomínio de campos rupestres e rochas. Inúmeros pontos de contemplação de toda a região tens-se pelo caminho.

Após algum tempo de caminhada, sem muitos imprevistos, com várias paradas para descansar, apreciar a vista e fotografar, o penhasco que forma a cachoeira começa a dar o ar de sua graça.

Logo se escuta o som das águas do rio Santo Antônio, que a medida que se aproxima do penhasco, dá forma a um pequeno cânion, com cerca de 500 m de extensão, com lindos poços e suas pequenas quedas que correm na direção da queda maior, de 273 metros, a qual chamamos Cachoeira do Tabuleiro, a terceira maior cachoeira do Brasil.

14-rio_santo_antonio

A caminhada por dentro do cânion é simplesmente fantástica, parece que estamos dentro de um jardim mágico cuidadosamente arquitetado, e ao fim dele cruzando de uma margem para a outra, buscando o melhor caminho, finalmente chegamos ao topo da gigantesca cachoeira do Tabuleiro.

15-cris_rio_santo_antonio19_rio_santo_antonio

Na borda da cachoeira a 273 metros, o coração quase entra em colapso, a adrenalina toma conta por conta. É vista surreal!

​​Mas não se engane, é preciso muita atenção e cuidado, qualquer vacilo será fatal.

Após o almoço e um breve cochilo, começamos o retorno ao acampamento, parando sempre que dava para tomar um banho nas pequenas quedas e poços do leito do rio. Enfim, estávamos num lugar paradisíaco.

11-Cris-almoço
Fotografia  Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

A volta ao acampamento fora mais demorada que a ida até a cachoeira, pois além do cansaço acumulado, agora tínhamos que enfrentar muita subida até o camping de Dona Maria.

A noite fomos recompensados com um céu limpo para observarmos as estrelas.

32-Camping_Dona_Maria
Fotografia Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

Quarto dia de Trilha – Dona Maria – Sede Do Parque – Lapinha da Serra. 

Após o café da manhã na casa de Dona Maria e logo depois de nos despedir do pequeno Lorenzo, voltamos a trilha, só que em direção a Portaria do Parque, em direção ao distrito de Tabuleiro.

O sol estava ardido e o ar seco. Foram horas de caminhada, mas agora só morro abaixo o tempo todo.

33-Cachoeira-tabuleiro
Fotografia Sob Duas Lentes para Viagem Kombinada

​​Na medida em que  avançávamos pela trilha, era possível ver de longe a Cachoeira do Tabuleiro ao  lado direito, e em frente, o povoado do Tabuleiro, distrito de Conceição do Mato Dentro.

Rapidinho chegamos a sede do Parque e em pouco tempo conforme combinado, nosso “resgate” chegou para nos levar de volta ao Distrito de Lapinha da Serra, onde nosso carro nos esperava para voltar a BH.

Fizemos uma parada em Conceição do Mato Dentro para almoçar e antes do final da tarde chegamos no camping, onde tínhamos deixado o carro, em Lapinha da Serra e iniciamos a viagem de retorno à Belo Horizonte.

Informações úteis

Nosso Roteiro Resumido 

  • São Paulo – +/-600 km – Belo Horizonte
  • Belo Horizonte – +/-115 km – Santana do Riacho
  • Santana do Riacho – +/- 13 km – Lapinha da Serra
  • Lapinha da Serra – 32 km (trilhas) – Portaria do Parque
  • Portaria do Parque – 10 km  – Tabuleiro – 22 km – Conceição do Mato Dentro -+/-105 km Lapinha da Serra
  • Lapinha da Serra – +/129 km- Belo Horizonte.
  • Belo Horizonte.- +/- 600 km São Paulo
  • Total de +/-1630 km

Camping em Lapinha da Serra

  • Camping das Bromélias

Endereço: Rua Paraíso, 279 – Lapinha Da Serra – Serra do Cipó – MG

Melhor época

  • Maio a Junho –   Período de seca, baixo nível do rio e da cachoeira, maior facilidade de andar pelo leito do Rio Santo Antonio
  • Novembro a Abril –  Período de chuvas, maior nível de água no rio e na cachoeira, possibilidade de nadar no rio, e a cachoeira apresenta um visual mais  imponente.

Custos durante a Travessia

  • Casa da Ana Benta : cafezinho de tarde + estadia + janta + banho quente + café da manha : R$25,00.
  • Casa da Dona Maria : estadia + janta + banho quente + café da manhã : R$25,00

       Janta: arroz, feijão, carne, salada.

       Café da manha: café, leite, queijo e pão.

  • Entrada do Parque Municipal Ribeirão do Campo (da cachoeira de Tabuleiro): R$6,00 (opcional)
Em destaque

Quem somos nós ?

Somos a Sandra Doyama e o Cristiano Cazarotto, a San e o Cris, um casal apaixonado por viagem e fotografia! Morávamos na cidade de São Paulo, e que por causa do stress de viver em uma cidade grande, decidimos mudar totalmente o estilo de vida!

Buscando mais qualidade de vida, optamos por SER ao invés de TER! E o que significa isso? Significa que ao invés de se matar de trabalhar para TER coisas, resolvemos VIVER mais, e colecionar vivências, e boas memórias! Ou seja, SER uma pessoa mais plena, e mais feliz!

Estampa_Kombi_Quadriculado-01

E como fizemos isso? Construímos nós mesmos uma nossa casa sobre rodas na nossa Kombi Beatriz! E hoje moramos, trabalhamos e viajamos estrada afora, sem pressa, e sem data para terminar, ou seja, hoje temos uma vida nômade, uma vida sem CEP!

Porém não se iludam! Este não é um estilo de vida fácil! Não somos ricos para ficar só viajando… muito pelo contrário! Temos que trabalhar muito para viver na estrada. Saímos da nossa zona de conforto, e a cada cidade é um recomeço! Conhecer novas pessoas, vender nossos produtos, ou conseguir algum trabalho.

Mas sair da nossa de conforto por outro lado, tem sido uma experiência incrível! Conhecemos muitos lugares surpreendentes, alguns pouco conhecidos, vivenciamos muitos eventos culturais, e está sendo incrível as surpresas gastronômicas!

A melhor parte de tudo, é conhecer as pessoas! Tanto é que, essa sendo a melhor parte, acaba por consequência, criando a pior parte, que é a despedida! Partir se torna difícil, tendo encontrado pessoas as quais nos apegamos muito!

Também fazemos algumas ações sociais por onde passamos. Em parceria com uma ação urbana, o Achei Origami, deixamos um origami para alegrar o dia de quem o achar nas cidades por onde passamos! Também visitamos as escolas estaduais e municipais para mostrar um estilo de vida alternativo, sustentável e criativo. E agora também, estamos plantando pelo menos uma árvore em cada cidade por onde passamos.

Assim vamos vivendo estrada afora! Hoje em dia temos muito pouco em termos materiais e financeiros, mas por outro lado, nunca fomos tão plenos e felizes como somos agora!

E para você que leu o texto até agora, deixamos aqui uma frase do Walt Disney que diz:”Se você pode SONHAR, você pode REALIZAR!”.

Acredite, sair da sua zona de conforto pode ser surpreendente! Permita-se! Não tenha medo de arriscar… não tenha medo de errar! Os erros e os acertos fazem parte da vida, e o sentido da vida é aprender, é ser alguém melhor do que você foi ontem! Pense nisso!

2018_Lightpainting_Beatriz_010__MG_5554

E se você quer saber mais sobre a construção da Kombi, como ela ficou, o porquê do nome Beatriz, como nos sustentamos, e o onde passamos, acesse tanto as informações que estão neste blog, ou acesse e nos acompanhe no YouTube e nas redes sociais do Viagem Kombinada, “kombinado”? Nos vemos por aí!!!

%d blogueiros gostam disto: